Por mais que as coisas fujam ao nosso controle, elas continuam rigorosamente sob o controle de Deus. – Hernandes Dias Lopes.

Penso que já sei de muita coisa, que já entendi muito da vida, que já aprendi tudo aquilo que deveria, que eu posso agora dar um passo sem perguntar à Deus o que fazer, porque eu já sei como agir. Penso que agora sou decidida, sei para onde devo ir, o que devo escolher, como devo me comportar, que amadureci.

Até que em um certo momento  “quebro a cara”, choro uma noite sem parar, me questionando sobre o porquê daquilo ter me acontecido, logo comigo, que sempre fui sincera, não merecia aquilo; “Né Deus? Você pode me ouvir? Você está aí? Pode ouvir meu coração esmagando?”. Até questiono se Ele estava ainda comigo pois o Seu silêncio era grande. Mas como Ele é um Deus tão misericordioso, tão bondoso, vens mais uma vez e me ensina que pouco sei, que preciso orar todo dia para não me enganar e acabar sendo guiada pelas minhas vontades, que preciso orar para que minha decisão esteja de acordo com a vontade Dele. Percebo que eu não sei cuidar de mim.

O nosso “achismo” nos leva à errar, nos levar à pecar. Quando achei que eu era uma mulher com atitudes sensatas, o Senhor me mostrou que ainda era a menina Dele, tão dependente do Seu amor para cuidar de mim e para me guiar. Quando achei que Ele estava comigo naquela tomada de decisão, que tudo era sinal à favor, não me deixou cegar, estava comigo até ali quando eu não consegui  ver e ouvir a Sua voz. Quando me vi confusa, sem saber o que pensar, Ele me disse “Eu estou no controle, sempre estive”. E ainda sem entender muita coisa que me aconteceu, Ele me consolou, me ensinou e acima de tudo me amou.

Hoje aprendi que um Pai sempre está querendo se relacionar com a Sua filha, que a Sua misericórdia se renova a cada dia, que Seu amor por mim não tem fim. Eu não tenho o controle de nada, eu estou na dependência Dele em cada passo que dou, e que preciso do Espírito Santo para guiar minha visão. “Só você sabe cuidar tão bem de mim, Abba. Porque quando eu penso que sei, aí é que nada sei.”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Maria Clara
Fortalezense, 23 anos, estudante de engenharia. Misturo os números com as letras, talvez porque eu goste um pouco de tudo. Amo as coisas simples e os sentimentos que elas me proporcionam como estar com a família, amigos e tomar sorvete num dia quente. O que mais busco é ser semelhante a Cristo, e refletir esse amor que um dia me alcançou.

COMENTÁRIOS