Apesar de ficção, “O Quarto”, livro de Emma Donoghue, mexeu muito comigo e me fez pensar nos últimos dias. Foi meu segundo livro deste ano, e o que mais me chamou atenção não foi a inteligência de Jack, e sim, o amor de sua mãe por ele.

O livro conta a história de Joy, que foi sequestrada quando adolescente, e vive em um quarto (cativeiro) durante sete anos. Desses sete anos, cinco anos contam com a presença de seu filho Jack, filho que nasceu devido os estupros que Joy sofria toda noite, do seu sequestrador, apelidado de “Velho Nick”.

Joy decide educar Jack, contando a ele de que o mundo não passava de seu quarto. De que as coisas da TV, são apenas da TV. E as coisas reais são apenas as que acontecem no quarto.

Se você já leu, ou já assistiu à adaptação que levou Brie Larson a ganhar o Oscar por sua atuação como Mãe, entende quando eu digo que Jack (Jacob Tremblay, que merecia o Oscar) é extremamente inteligente por ter crescido em um quarto e ter apenas cinco anos de idade. Se você quer conhecer melhor a história, leia ou assista, e não irá se arrepender.

O livro demora um pouco para engrenar, pois é na visão de Jack, então a história é contada na visão de uma criança de cinco anos, com palavras erradas, e a visão limitada de um mundo dentro de quatro paredes.

Mas preciso falar da Mãe, como Jack a chama, e do seu amor materno.

A trama não conta com a perspectiva do sequestrador. E até mesmo o Jack não fica ciente do que sua mãe sofre, pois ela esconde sua dor.

Mãe é uma mulher muito forte. Ela enfrentou o que foi preciso para dar uma vida ao seu filho, e o ama apesar de qualquer circunstância e de onde ele veio. Ela o educa, pratica exercícios com ele, deixa de comer para que ele se alimente melhor, esconde seu mal-estar, dores constantes no punho e nos dentes, só para manter Jack feliz.

E tudo isso, eu acredito que seja exclusivo do amor de mãe. Acredito que não importa o quanto você ama alguém, até você ser mãe, você não entende a dimensão desse amor.

A dimensão de dar vida a alguém, de ser responsável pelo caráter de outra pessoa, e ser responsável por outra vida.

Não preciso ler um livro para ver que o amor de mãe é diferenciado de todos outros. É só olhar para o lado.

Pode ser que sua mãe seja brava, seja exigente, seja chorona, seja sensível ou mais durona. Não tenho dúvidas que ela enfrentaria o mundo por você.

É isso que as mães fazem. Elas amam.

Título original: Room
Autor(a): Emma Donoghue
Editora: Verus
Categoria: Drama
Nota: 5/5

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Gabriele Sauthier
Com 23 anos é formada em Biologia, mas apaixonada por animais desde criança. Sempre a mais alta da turma, ama estar com os amigos e também ama dias nublados, tocar violão, café e livros. Procurando sempre estar em contato com a natureza, admira as flores e qualquer ser vivo.

COMENTÁRIOS