É engraçado que quando o tempo passa e você não está mais vivendo aquela situação que te deixava mal, as coisas parecem ser bem mais simples, e é mais fácil ter uma visão clara do que se passou. Contudo, quando não se extraiu a aprendizagem ainda, os pensamentos que poderão existir são do tipo “Ah, e se eu tivesse feito assim” Ou “Quando ele disse isso, eu deveria ter agido desta maneira”.

A verdade é que quando se está dentro da peça, é bem difícil enxergar com os olhos de um espectador que não tem envolvimento emocional, em que não há sentimentos e não há confusão dentro si.

Todos nós possuímos uma opinião sobre a maioria das coisas, baseadas em observar, em nossa cultura, em nossa vivência e experiência. Temos basicamente respostas a maioria das situações, caso venham a ocorrer conosco.  Porém, quando somos pegos numa circunstância em que somos confrontados, não sabendo como reagir, e precisamos escolher entre a razão e o sentimento. Os conselhos que você daria à outras pessoas não servem tanta à você. Tudo o que você sabe parece que não se aplica tanto ao seu caso.

Se você está vivendo um momento confuso e não sabe o que fazer, sinto lhe informar que você precisa tomar uma decisão. Você vai ter que se sentar na plateia para ver as coisas como elas realmente são. Terá que agir como se não houvesse um coração, lidando somente com os fatos, tendo que ponderar, colocar na balança os pós e contras, observando o que é real ou ilusório.

É, meu caro amigo, pode doer, mas só você pode fazer isso: tomar um posicionamento. Tantas vezes pedimos para Deus nos ajudar a tomar uma atitude, contudo no nosso interior nem nós mesmos sabemos o que queremos. Daí se torna difícil separar o que é de Deus e o que não é, a voz dele pode acabar sendo confundida com a nossa devido a nossa vontade.

Não é fácil tomar certas decisões, na maioria das vezes custa tempo, paciência, oração, coragem e sabedoria. Tempo para saber a hora certa de agir, saber o momento oportuno. Paciência para não agir e falar conforme seus primeiros pensamentos e prejulgamentos. Oração para alinhar tudo isso e saber qual a boa, perfeita e agradável vontade do Pai. Coragem para deixar ir e receber algo melhor. E por fim, sabedoria para fazer tudo isso anteriormente e nos dar a paz, a paz de Deus, que excede todo o entendimento (Filipenses 4:7).

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Maria Clara
Fortalezense, 23 anos, estudante de engenharia. Misturo os números com as letras, talvez porque eu goste um pouco de tudo. Amo as coisas simples e os sentimentos que elas me proporcionam como estar com a família, amigos e tomar sorvete num dia quente. O que mais busco é ser semelhante a Cristo, e refletir esse amor que um dia me alcançou.

COMENTÁRIOS