Talvez o amor não seja para todos, talvez ele não seja para mim.

Título do texto: Gabriela Santos

Talvez o amor não seja para todos, essa coisa de: “quando menos se espera vem” pode ser até verdade, mas acredito que a regra não se aplica necessariamente a todos.  Já cansei de inúmeras as vezes em que achei que daria certo. Das vezes em que eu mesmo com medo tentei. Me lembro como se fosse hoje dos tombos e de como tudo aquilo me machucou. Meu coração se fechou para o tal do amor e levei fama de coração de pedra.

Já havia decidido que minha vida tomaria um certo rumo e que essa historia de vida a dois não era pra mim. Mas as vezes acho que a vida gosta de nos testar e lá vem alguém com a ideia de que tudo será diferente e depois de muito relutar decido dar uma nova chance para o amor. Mais uma chance que não passou de uma tentativa frustrante e ainda mais dolorosa.  Sabe, as vezes o amor a dois não seja para todo mundo e muito se engana quem acredita a felicidade se resume a isso.

Cada vez mais que eu me distancio dessa ideia mais percebo o quanto outras coisas me fazem bem também. Continuo chorando em casamentos, continuo achando filmes de romance uma gracinha e vibro quando alguém que gosto decide tomar a decisão de unir sua vida com a de quem ama. O amor é bonito demais e não podemos negar. Mas, há amor em tantas outras coisas e pode ser que o amor a dois não seja para todo mundo, por alguma razão qualquer. Se prender a essa ideia de que necessariamente eu PRECISO ter alguém é frustrante demais. É chamar a felicidade pelo nome errado e depositar toda a sua energia em algo que pode simplesmente não acontecer.

Descobri que viagens me deixam com o coração tão feliz e que as pequenas conquistas do meu dia a dia me tornam mais fortes. Tenho aproveitado esse tempo para rever minhas prioridades e ter mudado o foco do tal do amor me fez ver que há muitas coisas que também nos fazem transbordar. Já sofri demais e já questionei a Deus e a todos. Já achei que o problema era eu e já tentei mudar milhares de vezes. Essa busca incansável pelo tal do amor ainda irá te machucar muito. As coisas simplesmente acontecem na vida da gente e o amor a dois é uma delas. Não dá pra simplesmente forçar ou insistir. A vida não se resume a isso.

O desespero e a carência podem nos levar a aceitar muito pouco e achar que isso é suficiente. Isso faz com que a gente acredite que estar acompanhado é não estar só quando na maioria das vezes estamos vivendo uma solidão a dois. Talvez o amor não seja para todos e talvez não seja para mim. E sabe? Tudo bem. Tudo bem mesmo. Eu não vou me tornar um coração de pedra e detestar saber de como tem sido a vida de casado de tal amiga ou de vibrar com o pedido de noivado da outra. Não vou me tornar a chata que odeia falar sobre o amor e que diz não acreditar nele. Eu acho sim que o amor existe e que embora seja uma raridade uma história a dois é algo bonito e nobre. O amor é como aquela roupa que a gente acha linda nos outros mas quando provamos em nós não gostamos. É aquela bolsa cara que alguém consegue comprar e você prefere gastar o seu dinheiro com viagem. É aquela bota que fica bem na sua amiga mas não combina com o seu estilo. O amor é algo singular. E o amor a dois talvez não seja para todos.

Se causa mais dor do que amor, não serve para você.

Às vezes precisamos tomar algumas decisões por mais difícil que seja, por mais que a gente ame demais aquilo que estamos deixando partir. Às vezes deixar ir é melhor do que deixar que algo permaneça em nossa vida, recentemente precisei tomar algumas decisões dolorosas, mas necessárias.

Eu sou o tipo de pessoa que ama fazer muitas coisas, gosto da minha rotina cheia de atividades e compromissos. Então sempre me envolvi com muitos projetos na faculdade e sempre gostei demais de cada um deles. Mas, com todas as obrigações veio o cansaço, as dores de cabeça, as dores nas costas, a exaustão, a vontade exacerbada de dormir, era meu corpo pedindo um descanso. Então por questão de saúde resolvi deixar alguns projetos que eu amava. Confesso, foi muito difícil. Eu pensei e repensei um milhão de vezes. Algumas vezes eu pensava: “eu vou aguentar”, mas logo o meu corpo pedia: Não permaneça nisso.

Relembrando isso eu pensei sobre algo que vejo constantemente: relacionamentos esgotados. Amores frustrados e corações partidos. Pode ser que você não aguente mais, que o seu coração esteja gritando pedindo socorro: ”por favor, não permaneça nisso.” Se você mais chora do que sorri, se a indiferença é constante no relacionamento e o diálogo não existe, algo de errado tem, por mais que você se recuse a ver. Você tem certeza que ama esse alguém, mas ao mesmo tempo sabe: isso te faz mal.

Nem sempre o amor é suficiente. Nem sempre amar é o que mantém um relacionamento. É preciso muito mais para que isso nos faça bem. É preciso respeito, cuidado e diálogo, muito diálogo. E acredite conversar não é brigar. Pode ser que você assim como eu relatei na história acima, tenha repensado muito, muito muito mesmo, e chega a doer o coração pensar em deixar isso para trás, mas no fundo você sabe: é preciso. Às vezes deixar algo que amamos, mas que nos faz mal é um ato de amor próprio. É uma forma bonita de nos amarmos e abrirmos caminho para coisas lindas cruzarem a nossa vida.

Amor não combina com dor. Não essa dor que só machuca, fere e gera incertezas. Amor combina com perdão, com mudança e não com comodidade. Por mais que doa deixe ir, isso não significa que você não irá sentir a dor da partida, mas certamente você verá que fez a escolha certa. Eu sempre esperei estar pronta, sempre prorroguei as minhas decisões. Sempre achava que daria conta até viajar e ficar 20 dias longe de tudo isso. Nesse tempo pude repensar no que realmente importava no que realmente me fazia falta. Então eu percebi que estava deixando de fazer coisas que eu amava simplesmente porque estava permitindo que outras coisas ocupassem espaço na minha vida. Eu posso gostar de muita coisa, mas estava deixando de viver aquilo que eu sempre quis para minha vida porque achava que sei lá, era isso que me bastava.

Pense bem, precisamos saber exatamente quem queremos ao nosso lado. Às vezes o tempo, o comodismo nos deixam cegos e achamos ser dependentes de alguém. Confundimos apego com amor e caímos na cilada de aceitar aquilo que nos fere. Quando tomamos algumas decisões percebemos que deixar algumas coisas para trás é uma forma de abrirmos as mãos para recebermos algo melhor.

 

Chorar não é fraqueza, desanimar não é desistir.

Tem dias que eu desânimo e você pode me perguntar o porquê, mas eu não saberei te responder. É apenas desânimo. Um dia ruim que a gente não vê a hora de acabar. Espera ansiosamente o amanhecer para ver se as coisas melhoram. Ultimamente muita coisa mudou na minha vida e quem disse que mudança é fácil? É difícil. Dói.

Dói ter que tomar algumas decisões por mais que elas sejam necessárias. Hoje eu vim aqui pra te dizer que tudo bem você desanimar e não estar bem. Não temos a obrigação de sermos felizes 24 horas por dia. Tudo bem você sentir que hoje o dia não está rendendo e que talvez tudo o que você precisa é chegar em casa e dormir. Todos nós precisamos de um tempo a sós com os nossos pensamentos, os nossos sonhos e os nossos planos. É saudável querer tirar um tempo para repensar na nossa vida e traçar outros caminhos.

Hoje é só um dia ruim e não se cobre tanto por se sentir assim. É bonito e respeitoso se permitir sentir. Eu espero que esse tempo sirva como reflexo e impulso para novas coisas e novos rumos na sua vida. Que um dia ruim não seja um entrave para o sucesso de um caminho lindo que você tem a frente. Que seja apenas uma parada para pegar mais fôlego a fim de continuar essa jornada. Acredite: Dias melhores virão. A tempestade sempre passa e com ela vem à calmaria. Pode ser que aquilo que você tanto espera, tanto deseja ainda não tenha chegado. Pode ser que você esteja desesperado ou aflito com tantos problemas aparentemente sem solução. Talvez seja a hora de dar uma pausa, repensar em tudo o que tem acontecido e resgatar as suas forças. A gente tem a mania de achar que não consegue que não é capaz quando de fato somos fortes até demais.

Chorar não é fraqueza, desanimar não é desistir. Pensar em desistir não é ação é apenas pensamento. Ter medo não significa ausência de coragem e acredite você tem feito muito. Você tem lutado e logo a recompensa vem. Sempre vem. A verdade é que quando menos se espera a gente se surpreende. Grandes coisas acontecem. Pequenos milagres diários acontecem em nossa vida e deixamos de perceber isso esperando grandes acontecimentos. Por isso, quando o cansaço e o desânimo bater, respire fundo e tire um tempo para você. Pode ser que grandes coisas já estejam acontecendo, mas você está tão farto de tudo que não consegue ver.

 

Aprenda a ouvir a voz de Deus e a aceitar os planos dEle para a sua vida.

Se você não sabe qual direção tomar, qual rumo seguir ou o que fazer, ore. Falar com Deus nos traz paz, enche o nosso coração de tranquilidade e leva embora toda angústia. Aquela angústia que chega a apertar o peito, que parece sufocar todas as nossas esperanças, achando um jeitinho de esmagar a nossa fé. Achando um jeito de sugar as nossas forças.

Aprenda a ouvir a voz de Deus e a aceitar os planos dEle para a sua vida. Rasgue fora os seus rascunhos e deixe Ele escrever uma nova história. Deixe Deus pilotar a sua vida, dê a direção para Ele. Eu sei, você deve estar com medo, achando que pode dar errado novamente e já nem sabe mais distinguir se deve tentar outra vez. Não sabe mais se deve dar um passo à frente, porque tudo o que você não quer é retroceder. Não quer ganhar novas feridas.

Talvez, você esteja achando que tudo será igual novamente e esteja se apegando ao passado, aos fracassos e fazendo disso o lema da sua vida, mas saiba que você não é um colecionador de erros e tentativas falhas, você pode ser um colecionador de histórias, de aprendizado e de mudanças. Tudo em nossa vida é aprendizado. Infelizmente, não estamos livres da decepção, dos erros e do medo, mas podemos escolher ver as coisas de outra forma, temos a oportunidade todos os dias de recomeçar. E eu acho isso mesmo bonito, essa coisa de poder se reinventar.

Então se for para desapegar, desapega dos seus medos, dessa insegurança e dessa falta de anseio. Queira muito, mas também permita-se. Deus não daria a você qualquer coisa, então não espere coisas pequenas de um Deus tão grande. Confie nos planos dEle e deixe Ele agir. Esqueça os seus enganos, eles são só… Enganos. E se der errado novamente? Pense que tudo nos transforma, tudo nos ensina algo. Se deu errado até aqui, continue a tentar.

A vida segue em uma velocidade assustadora e não nos permite pausas ou retrocessos, tudo o que você precisa fazer é seguir em frente, você não pode estacionar nos seus medos. Faça uma troca. É, uma troca. Troque o medo pela fé, troque a ilusão pela esperança, as paradas pelos avanços e ao invés de negar-se e negar o tempo todo, permita-se.

Um coração entregue a Deus não significa que nada dará errado, mas, certamente, ele está em um lugar seguro, onde guerra alguma abala a sua paz. Onde barulho nenhum te impede de ouvir a voz de Deus. Você continuará errando, por isso continue tentando. Não deixe de acreditar nas pessoas, no amor, na vida, porque a dor vem, mas não faz morada. Não deixe que nada que não te acrescente tome uma proporção significativa em sua vida.

Eu não sei o que está tomando conta do seu coração, se é o medo, as dores, as feridas, a angústia, a insegurança ou a dúvida, mas sei que quando você entregar o seu coração a Deus verá que a paz nunca fez uma morada tão longa em seu coração.

Nosso amor é fruto das nossas orações.

Eu me lembro das vezes em que orei por amores que não eram para ser meu. Por pessoas que não eram preparadas por Deus para mim. Lembro-me das vezes em que me apaixonei e jurava ser amor, dos joelhos dobrados implorando a Deus que tocasse o coração desse alguém para me amar. Quantas e quantas vezes eu pedi a Deus para colocar o sentimento no coração de alguém que eu estava apaixonada. Por vezes bati o pé e ignorei as respostas de Deus. Não entendia o porquê dos “nãos”. Eu não conseguia entender essa história de tempo. Me irritava ouvir de alguém essa história da “pessoa certa”; “tempo certo” e da paciência. Eu tinha pressa e não podia esperar.

Toda a minha ansiedade resultou em um coração duro que cansou de se decepcionar no amor. Não acreditava mais nessa história e evitava a todo custo falar sobre relacionamentos. Detestava sair com casais e preferi me dedicar apenas aos estudos e todas as minhas respostas sobre relacionamento se resumiam a uma única resposta: estou sem tempo pra pensar nisso.

Mas Deus tem um jeito lindo de agir na vida da gente e de nos ensinar grandes lições. Quando eu menos esperava, quando não estava preparada, Deus colocou alguém no meu caminho. No começo não quis nem saber. Joguei as minhas desculpas e torci para que esse alguém não insistisse. Mas esse era o plano de Deus e sei que foi Ele que deu sabedoria para que esse amor pudesse ser brotado em meu coração. Eu sei o quanto ele lutou por mim, o quanto orou pra que desse certo e Deus ouviu as suas orações porque esse era o plano dEle para as NOSSAS vidas.

Sabe, olhando para a minha história e para o amor que estou vivendo entendo perfeitamente todos os nãos de Deus pra mim. Hoje eu entendo o porquê de tanto choro, de tantas decepções, entendo o porquê de ter dado tão errado antes. Deus estava preparando o meu coração e toda aquela pose de durona foi uma forma de Deus me fazer enxergar quem realmente iria lutar por mim. De quem tinha um interesse real no meu coração.

Pode ser que você tenha orado muito por alguém e assim como eu, há alguns anos atrás, você se decepcionou e não deu certo. Pode ser que você tenha orado muitas vezes e até agora foram apenas feridas e você se pergunta se esse tal do amor existe mesmo.

Estou aqui para te dizer que Deus escuta as suas mais sinceras orações. Ele sabe o quanto você deseja alguém para dividir a sua vida e tecer planos. Mas Ele pode estar tentando te ensinar algo. Eu precisei abrir os meus olhos, me libertar de um passado de decepções e me permitir viver o que Deus tinha preparado para mim. Sem certezas, sem garantia de que isso era o certo. Eu precisei tentar mais uma vez correndo o risco de me ferir de novo. Mas era preciso, porque eu estava tão conectada com Deus que entendi que Ele desejava que eu tivesse fé.

Todos os amores, dores e frustrações nos ensinam algo. E eu aprendi muitas coisas. Na hora a gente não entende, mas depois compreendemos que há um propósito maior para tudo. Continue orando, quanto mais perto de Deus mais fácil ouvir a sua voz. Quando menos se espera Deus nos presenteia com aquilo que pedimos a Ele todos os dias.

Imagem: @perazzoli / Eduardo Perazzoli

Não more sozinho numa historia de amor.

Não more sozinho numa historia de amor. – Zack Magiezi

Quanta insistência em quem insiste em partir hein? Esse coração aí está gritando por um nome que não merece o teu cuidado e o teu amor. Acredite: transformar isso em raiva também não irá ajudar em nada. O contrário do amor não é o ódio, mas sim a indiferença. Talvez seja por isso que esse alguém tenha sido tão indiferente não é mesmo?

Eu sei que você jura e acredita que isso é amor e eu não estou aqui para desconstruir o que você sente, mas para te fazer pensar o quanto amor é pra dois e não apenas para um. Eu estou aqui para tentar abrir os seus olhos e te dizer num papo de amigo mesmo o quanto você merece mais do que as desculpas que tem recebido.

Porque se contentar com mensagens esporádicas? Com quem insiste em pedir um tempo e diz não saber o que quer? Deixa ir. Não alicerce seus sonhos ou teça planos ao lado de quem não quer caminhar junto com você.

Dói eu sei sentir que estamos fazendo de todo o possível, que estamos lutando para ser a nossa melhor versão e sentir que isso não é suficiente. Dói não entender os porquês e os motivos para não ficar, quando a gente tem todos os motivos para não ir.

O problema não é você, não é o amor e muito menos o cupido. O problema é você ainda insistir em algo que não é amor. Continuar se machucando e acreditando que pode ser diferente e que talvez esse alguém mude de ideia sobre vocês.

Então, faça um favor a você: Se ame e deixe ir quem não lhe ama. Não insista nessa ferida que só machuca e nada acalenta que só esmaga as suas esperanças e crenças sobre o amor.

O amor é uma via de mão dupla, o amor é reciprocidade, não permaneça onde o esforço e os cuidados partem apenas de um lado – o seu – vá trilhar outros caminhos, recomece e escreva outra história em que o verbo amar seja conjugado em nós, e não apenas no eu. Faça um favor a si mesmo (a): Não peça, não implore nem rasteje para alguém permanecer em sua vida, você merece alguém que fique sem precisar pedir, que não minta ou te engane. Você merece alguém que te ame.  Então, não more sozinho numa história de amor porque isso é solitário demais.

Amor não é uma questão de persistência, mas sim de consistência.

Entenda: A sua insistência não irá fazer com que o outro mude de ideia, isso não irá fazer com que brote sentimentos do outro por você. Mas o que estou querendo falar nesse texto é sobre o amor em um relacionamento já construído.

Pode ser que você veja muitos defeitinhos no outro e queira mudá-lo a todo custo e aí vem às cobranças na tentativa de fazer com que o outro enxergue aquilo que tanto o incomoda. Mas, quero lhe apresentar um conceito novo que mexeu muito comigo depois de assistir a um vídeo sobre isso, a palavra da vez é “consistência” isso me lembrou em um primeiro momento a pudim, mousse e todas essas sobremesas gostosas (risos). Mas, para que essas receitas possam de fato dar certo e ficarem bem saborosas é preciso que elas fiquem CONSISTENTES. O que isso te lembra?

Isso me fez pensar no relacionamento e de como os namoros e casamentos dos dias de hoje tem se tornado cada vez mais inconsistentes. As pessoas desistem na primeira dificuldade e no primeiro defeito já mandam o outro embora porque não suportam a realidade, querem continuar vivendo um “amor” fantasia onde tudo dá sempre certo. Pessoas que não toleram decepções e que acham que o outro é perfeito quando ele mesmo é imperfeito.

O que quero dizer é que em um relacionamento o amor não é questão de insistência, cobranças, mas sim de consistência. Não notamos o quanto emprestar nossos ouvidos para escutar como foi o dia cansado do outro o faz bem, de como acolher a dor de uma decepção no trabalho mesmo que isso pareça tão insignificante para nós é importante para o outro. Não vemos, por um descuido qualquer que preparar um jantar é um ato de amor, que comer um bombom na rua e lembrar de trazer um para o seu parceiro é um gesto de carinho. Amamos o outro pelas pequenas coisas, são pequenas atitudes que nos devolvem a certeza de que o outro nos ama e nos quer bem. Depois de certo tempo as coisas perdem o seu status de “novidade” em um relacionamento e então, como reacender? Como manter a consistência?

Você não precisa mandar flores no trabalho, comprar um presente caro ou levar o outro para jantar em um restaurante que custa milhões – risos- O reacender está nas pequenas coisas do dia a dia, desde o ouvir, até cuidar do outro quando ele não está bem de saúde. É ligar no meio do dia pra saber se melhorou da tosse e mostrar o quanto se importa com esse alguém. A consistência está no cuidado, no respeito que podem ser demonstrados em atitudes mínimas que esboçam um carinho imenso e faz toda a diferença para esse alguém.

Particularmente meu coração sorri quando vejo um bilhete no meio dos meus livros, quando o outro foi ao supermercado e lembrou de comprar o meu chocolate favorito. Eu me sinto amada quando o outro escolhe me ouvir mesmo não entendendo nada do que estou falando, de quando estou doente e mesmo isso parecendo “não ser nada demais” o outro decide cuidar de mim. O amor está nos pequenos detalhes, são pequenos gestos que faz com que a gente sinta que o amor não acabou e que você não deixou de ser interessante, mesmo a novidade tendo passado, mesmo que os jantares tenham se tornado raros e os presentes ficados para datas muito especiais. São esses pequenos ingredientes simples que mantém a consistência de um relacionamento que ao invés de ser liquido, torna-se cada vez mais sólido.

Foto: @mansanofotografia

Atração física não é amor.

Muita gente confunde desejo com amor, paixão com amor, apego com amor… Enfim são tantas confusões que o tesão é muitas vezes entendido com o verbo amar. O beijo pode de fato ser bom, a pegada arrancar suspiros, mas isso não é em si amor, o desejo faz parte do amar, mas não resume o que é de fato amor.

Amor é muito mais do que beijos, abraços, aquele friozinho na barriga, é muito mais que desejo. Mas deixe eu te explicar melhor isso. O começo de um relacionamento é geralmente movido pela paixão, tudo é novidade, tudo é bom ao lado desse alguém, os abraços tornam-se calorosos, o beijo chega a pegar fogo e a gente se vê diante de tanto desejo e acha: Isso é amor. Pode ser que você tenha conhecido alguém e ao sentir aquele “fogo todo” (risos) achou que estava amando. O lado sexual pode falar mais alto do que o emocional, muitas vezes, ultrapassando os limites da nossa razão e adentrando na impulsividade, na busca pela satisfação daquilo que nos consome: O desejo.

Mas isso não é amor, isso porque o amor é muito mais companheirismo e realidade do que fantasia. Amor é muito mais sereno e calmo do que aquela tempestade toda causada pela paixão. Amar alguém vai muito além de beijos, abraços e sexo, amar alguém é amizade, respeito e cuidado. É estar ali com o outro quando ele não está bem e hoje não deseja ser tocado, não quer se aventurar em suas paixões, mas apenas quer o seu ouvido para escutar como foi o seu dia cansado. É quando o outro deseja não o seu corpo e o seu toque, mas o seu ombro amigo para chorar e dizer o quanto tem sido difícil aguentar as pancadas da vida.

Em um relacionamento desejar o outro, admirá-lo e achá-lo interessante é sim muito importante, mas não podemos resumir isso a amor, afinal esse sentimento nobre é construído sobre bases mais sólidas como a realidade, as dificuldades e a paciência.

Por isso, quem apenas deseja não consegue suportar as tempestades do outro, não consegue driblar as dificuldades e permanecer junto, quem apenas sente fogo não sabe ser calmaria. Então, da mesma forma que não podemos confundir apego com amor, não podemos cair na cilada de acreditar que tesão é amor. De achar que porque o sorriso nos atrai, o olhar nos desmonta e o toque nos balança, isso é amor.

Eu costumo dizer que amar está para além das aparências e por mais que você ame o sorriso, o perfume e o jeito do outro te abraçar, há muito mais coisas que fazem você amar esse alguém. É saber que mesmo você estando com o seu pijama mais velho e descabelada esse alguém ama a sua presença e continua te escolhendo todos os dias estando você bem ou não, estando você com problemas ou não. Amor não é uma questão apenas de desejo, é uma questão de escolher todos os dias o outro. O tesão é passageiro e você pode sentir muito bem isso por outro alguém, já o amor, ah o amor, é algo singular, afinal não se ama duas pessoas ao mesmo tempo.

Pais: seus filhos precisam mais do seu amor do que do seu dinheiro.

Na nossa sociedade capitalista há a concepção de que presentes significam necessariamente amor e afeto. Dessa forma, os gestos genuínos que esboçam amor e carinho são substituídos por presentes e diversas atividades. Hoje a criança feliz é aquela que tem e faz de tudo, desde a natação, até o inglês, o francês e também o tênis. Nossas crianças sabem fazer muitas coisas, mas possuem pouco espaço dentro de suas próprias casas.

Pais sempre muito ocupados para seus filhos e que ao mesmo tempo ocupam demais os filhos como forma de “suprir” essa falta. Não estamos aqui tentando culpabilizar os pais, mas promover uma reflexão sobre a relação pais e filho, o qual é muito importante e tem sido deixada cada vez mais de lado.

Por mais que a criança tenha mil e uma atividades, aquela conversa, aquele abraço, aquele cuidado não é dispensável. Nós precisamos disso, precisamos saber que alguém zela por nós, precisamos ter um lugar para não só descansar no final do dia, mas para conversar e dividir os acontecimentos. Os filhos também precisam desse espaço, a atenção não deve ser apenas de fora, mas também dos pais. Por isso, encher o seu filho de presentes não significa necessariamente que ele se sinta amado, presentes, dinheiro para comprar roupas, ir a festas, ou simplesmente ser um pai- mãe liberal, não se resume ao que o seu filho(a) necessariamente precisa.

Assim como em um relacionamento amoroso, presentes e jantares caros não sustentam um relacionamento, é preciso nas relações pais e filhos ir além, abrir espaço para diálogos, permitir que os filhos compartilhem suas histórias, seus anseios e suas angustias que muitas vezes ficam retidos pela tal “falta de tempo”. Por mais que esse desejo de se expressar não seja tão nítido, é preciso estimular essas relações de forma positiva.

Recentemente a série os treze porquês nos mostrou a importância das relações não só no âmbito social, mas também familiar. Nossas crianças e adolescentes querem ter um espaço de acolhimento dentro de seus lares, querem ter alguém para os defende-los ao invés de apenas julga-los e culpabilizá-los.

Vejo muitos adolescentes que tem de tudo, desde o melhor celular, até a melhor roupa, o melhor tênis, as melhores viagens, mas que reclamam por não ter ninguém para os ouvir. Pessoas que estão angustiadas e não sabem o que fazer com o seu sofrimento, que buscam alguém para partilhar, mas não sabem quem procurar e acabam vagando em busca de alguém que os escute, que acolha as suas angustias. Não que a culpa seja da família, o que quero dizer é que muitas vezes os pais não se dão conta dessa necessidade seja pela rotina, pela correria ou por inúmeras questões. O alerta vem como forma de voltar-se para essas relações e que os pais busquem fortalecer o relacionamento com os seus filhos não por meio do dinheiro, presentes, agrados e permissões, mas por meio da escuta, do companheirismo e da presença. Nada disso supri a falta de um abraço

caloroso, nada paga o colo no final do dia e o ombro amigo que te permite chorar. Nada anula a presença e o cuidado. Afinal, amamos sentir que alguém zela por nós.

Imagem: @perazzoli / Eduardo Perazzoli

Calma, é aos poucos que a vida vai dando certo.

Não se desespere não, porque nada é pra já. A gente é apressado demais não é? Às vezes me pego pensando: Será que vou ter um emprego depois da faculdade? Será que vou me casar? Será que vou conseguir ter dinheiro para ajudar a manter minha casa? E o meu futuro marido? E, e… São tantos e se e serás que a gente acaba caindo no achismo de que as coisas são impossíveis demais para acontecer e por consequência nos desesperamos.

Mas a verdade é que há um tempo certo para cada coisa, e ao invés de se projetar tanto para o futuro tente pensar no que você pode fazer hoje. Ao invés de se imaginar tanto lá na frente achando que nada vai dar certo, tente pensar no que é possível realizar hoje.

Às vezes achamos que não vamos dar conta, que não vamos conseguir terminar a faculdade ou encontrar o amor de nossas vidas, achamos que não vamos ter dinheiro e nossa, essas ideias acabam nos deixando angustiados. Mas calma, é aos poucos que as coisas vão dando certo e não adianta querer apressar porque tudo tem o seu tempo.

Hoje pode ser o tempo de você estudar, prestar um concurso ou se dedicar para o mestrado, pensando na sua vida futura. Hoje é tempo de você gostar de você sem esperar que um relacionamento venha fazer isso por você. “Quando eu era criança sonhava em ser adulto, não via à hora de ‘crescer”, depois de adentrar nessa fase o que mais escuto é o desejo de retornar a infância, de se livrar das obrigações porque, ah, ser criança é tão bom né?

Isso me faz pensar o quanto não aproveitamos cada fase, cada momento de nossa vida porque queremos adiantar as coisas, apressar os passos, as decisões e deixamos de viver aquilo que o hoje pode nos proporcionar. Deixamos de fazer o nosso possível porque projetamos nossos olhos no impossível.

Então não se desespere porque essa angustia toda não resolve nada, pelo contrário gera ainda mais problemas. Você vai se formar, vai conseguir um emprego as coisas vão dar certo, pode não ser como você esperava, pode não ser no tempo que você achava que fosse, mas vai dar certo. Enquanto isso continue dando o seu melhor, fazendo de todo o possível para alcançar os seus objetivos. Não se culpe e nem se cobre quando chegar ao seu limite, respeite o seu cansaço, permita-se chorar e descansar depois de um dia exaustivo.

As coisas vão dar certo, pode parecer que não, mas vão sim. Pode demorar, mas uma hora as coisas se encaixam em nossa vida, só não podemos gastar nosso tempo e energia em projeções futuras, em duvidas e incertezas. Use o seu tempo e o hoje para escrever a sua história e se for preciso apague ela amanhã e recomece novamente, quantas vezes for preciso. Não se desespere porque tudo tem o seu tempo.