Imagem: @MansanoFotografia

Uma vez fui ao shopping tomar sorvete e quando passei por uma loja vi uma roupa em exposição, e sabe quando você olha e pensa “é essa que quero usar”? Assim aconteceu comigo e logo em seguida fui experimentar para ter certeza que ficaria bem em mim. E como imaginei que serviria assim que a vi, realmente serviu. Levei para a casa e aquela roupa acabou sendo a minha “farda” de tanto que eu gostei dela. Parece que foi feita para mim.

Outro dia, fui a uma loja porque precisava de um vestido, pois tinha um casamento para ir, então saí procurando, e fiquei indecisa entre alguns modelos, pedi opinião a vendedora e acabei levando um. Usei uma vez naquela ocasião, mas depois deixei ele de lado. Assim como fui atrás de um vestido que estava precisando e que me supriu momentaneamente, mas depois não me serviu mais, assim também escolhemos uma pessoa errada por causa da nossa pressa, pois estamos querendo nos relacionar naquele momento para preencher nossa carência. Nos relacionamos erroneamente e quando vemos que a pessoa não nos satisfaz mais, nós deixamos ela de lado, gerando traumas e feridas naquela pessoa que ainda possui sentimentos. A ansiedade e o desespero batem à porta e não se vê que os objetivos e propósitos são diferentes. “E daí que ele não é cristão?” “E daí que eu quero viajar o mundo e ele não? ”

E certa vez aconteceu de eu me apaixonar por um vestido mas chegou uma pessoa e disse que não tinha ficado bem no meu corpo, mas como eu gostei, não liguei e depois de uns anos vi uma foto no qual estava usando a bendita roupa e pensei “como eu pude usar isto?”.  Pois é, assim também nos encantamos pela aparência da pessoa e esquecemos o caráter. Não nos importamos com o que os outros pensam, se seus pais são contra, se seus amigos alertam sobre atitudes duvidosas daquela pessoa. “E daí que eles não gostam? Eu gosto e é o que importa”. A paixão passa, e você começa a ver os defeitos que você não pode suportar, mas que acabou virando costume. Encarar a realidade é duro demais, aceitar que as outras pessoas estavam certas é ruim, desapegar do que te faz mal é difícil, aliás, ele pode mudar, não é isso que te passa pela cabeça? Não estou falando que se seu namorado (a) gosta de sorvete de chocolate e você prefere baunilha, isso foi uma escolha errada. E nem que as pessoas são descartáveis e que não possam tentar fazer dar certo. Estou falando de escolhas que te fazem ser uma pessoa infeliz, estando em um relacionamento onde não há paz, onde a pessoa te aprisiona e rouba o melhor que existe em você. Você não anda para frente só para trás. A pessoa em vez de caminhar ao seu lado está em julgo desigual, ou mais à frente ou mais atrás.

Se você tomou uma decisão errada há sempre a possibilidade de fazer uma nova escolha, dessa vez melhor, primeiro entregando a Deus a sua vida e seu relacionamento, depois abrindo mão do que você acha que está bom para receber algo muito melhor. Pode ser que seja necessário abandonar um relacionamento que vai de mal a pior, que por mais que você tente nada muda e isso está afetando outras áreas em sua vida. Ou talvez começando a mudar você para que haja mudança no outro, como ciúmes e algumas imaturidades. Temos medo de sair de uma situação aparentemente confortável, mas o que não dá é para viver de sobras.

O pior de tudo é que estamos tão concentrados na roupa que esquecemos de quem fez a roupa. Tem gente que prefere comprar o tecido e pedir para uma costureira fazer pois ela conhece como ninguém os seus desejos e suas medidas, também sabe dizer “não” quando preciso. Não tenho como comparar Deus como uma costureira, mas foi o que chegou mais perto, e preste atenção, se uma costureira pode fazer um vestido do seu gosto imagine o que o Pai pode fazer por um filho.

E sabe a escolha certa que fazemos? Foi a ilustração de quando a roupa parece que foi feita para nós. Ou seja, estamos bem conosco e a pessoa é colocada no tempo certo por Deus em nosso caminho. E para acertarmos  precisamos nos tornamos a “roupa certa” de alguém e confiarmos em Deus que o mais Ele fará. Por que Deus não vai te dar algo mais ou menos, pode ter certeza. Você está preparado para ver Deus superando suas expectativas? Só depende de você. Abra mão do bom para o melhor que está por vir.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Maria Clara
Fortalezense, 23 anos, estudante de engenharia. Misturo os números com as letras, talvez porque eu goste um pouco de tudo. Amo as coisas simples e os sentimentos que elas me proporcionam como estar com a família, amigos e tomar sorvete num dia quente. O que mais busco é ser semelhante a Cristo, e refletir esse amor que um dia me alcançou.

COMENTÁRIOS